Angola vai ao Afrobasket sem duas das suas maiores estrelas – Yanick e Bruno Fernando dispensados da Selecção

Yanick Moreira, poste do AEK de Atenas, da Grécia, e Bruno Fernando, primeiro angolano a militar na NBA, pelos Atlanta Hawks, são baixas confirmadas na Selecção Nacional de basquetebol, que vai disputar, no Rwanda, entre 24 de Agosto e 05 de Setembro, o Afrobasket 2021.

O basquetebol e a independência angolana - Angola - SAPO Desporto
Selecção angolana de Basquetebol

Num comunicado tornado público nesta sexta-feira, 30, a Federação Angolana de Basquetebol (FAB) refere que a dispensa de Yanick do grupo que trabalha na Europa resultou de um acordo com o jogador.

“A FAB chegou, portanto, a um acordo com o jogador (…) para este se afastar [da Selecção] de forma voluntária, depois de repetidos desentendimentos com colegas da equipa, que desfavoreciam o espírito pretendido de equipa unida”, lê-se na nota do organismo.

Sobre o caso, o poste de 2,11m informou que o seu afastamento do combinado nacional se deveu à necessidade de cuidar da sua saúde.

“2020/2021 foi uma época muito difícil para mim física e mentalmente, não tive tempo de parar e reflectir, nem mesmo de fazer uma recuperação adequada. Por este motivo, decidi parar para cuidar da minha saúde física e mental. Infelizmente, tive de me retirar do colectivo, mas continuarei torcendo (…) para que a nossa Selecção brilhe no Afrobasket 2021”, disse o jogador de 30 anos, num vídeo disponível na conta do Facebook da Federação.

Quanto a Bruno Fernando, poste de 2,8m e 22 anos, a FAB informa que, devido aos compromissos deste de criação da sua Fundação e de participação na Summer League, o jogador se mostrou disponível a juntar-se ao grupo apenas seis dias antes do arranque do Afrobasket, condição que levou a FAB descartá-lo definitivamente da prova do Rwanda.

“[Yanick Moreira] foi afastado unilateralmente pela FAB, pois não se apresentou sequer no estágio que está a decorrrer, uma parte considerada essencial para o treino da Selecção e criação de estratégias de espírito e jogo em equipa”, justificou a Federação no comunicado assinado pelo presidente Moniz e Silva.

Mais medalhada selecção de basquetebol masculino em África, com 11 troféus, Angola vai ao Afrobasket 2021 com a missão de recuperar o título perdido há já duas edições para a Nigéria e Tunísia, em 2015 e 2017, respectivamente.

Tunísia e Nigéria – esta última que num recente jogo de preparação bateu os EUA por 90-87 – são vistas, assim, como as grandes concorrentes, ao lado de Angola, à conquista do próximo campeonato africano de basquetebol sénior masculino, vulgarmente conhecido como Afrobasket.

Fonte: NJ

O Apostolado Nas Redes Sociais

Twitter O ApostoladoFacebook Jornal O Apostolado

Apostolado Divisoria


Apostolado Divisoria


Apostolado Divisoria


Apostolado Divisoria